Ética no serviço publico

O serviço público é uma das atividades mais almejadas pelos brasileiros atualmente.

Isso se dá por diversos motivos, mas o principal é em relação a segurança financeira e ao status mais elevado. E devido a isso é possível observar os milhares de concurseiros existentes no país.

Porém, é sabido que nem sempre o serviço público é realizado da forma correta dentre os seus servidores.

E que por muitas vezes são relatados casos por meio das mídias sociais em que é possível observar um abuso por parte do funcionário na executoriedade da sua atividade.

Atividade essa que deve ser compreendida e realizada da melhor forma possível, pois foi feita pelo Governo e para o povo.

Por isso, nos indagamos; como realmente devia ser a ética e o serviço público? Quais as advertências que existem para esses servidores? É possível perder o cargo em razão da falta de ética no trabalho?
Essa e outras perguntas, responderemos abaixo.

O OBJETIVO ÉTICO

Em geral, a ideia de algo ético é subjetivo, se alterando, portanto, de pessoa, para pessoa.

Porém, a diretriz central que diz ética é trabalhar com os princípios da lealdade, busca de excelência, justiça, honestidade, integridade e etc. E a maioria das pessoas concordam que essa é a linha para boas condutas.

Mas, e a ética profissional?

Também são um conjunto de normas, regidas pelos princípios acima, mas voltadas para o ser humano no exercício da sua profissão.

A grande questão, é que a população em si, sofreu durante anos para conseguir direitos básicos e fundamentais, mas muitas das vezes esses direitos não são respeitados.

Há quem pense que, não são respeitados pois não são cobrados, mas após observar a rotina humana é fácil analisar que o desrespeito começa pelos próprios funcionários públicos em relação a sua população.

Ou seja, eles conseguem violar a ética, atacar suas culturas, e dá uma impressão que o nosso direito é negociado.

O tema está tão maltratado, que quando falamos de ética no serviço público no país logo lembramos de corrupção, lavagem de dinheiro, ineficiência, extorsão. Já que os padrões éticos do servidor, está atrelado a sua cultura.
O que não deveria ser assim, pois em primeiro lugar, o serviço público rege-se pela impessoalidade.

Tratando e servindo a qualquer um de maneira igual e sem distinção.
Mas quem nunca ouviu falar daquela velha frase “você sabe com quem está falando?”

Também não há como falar de ética sem falar da moralidade. A moralidade não é apenas um dos princípios da administração pública, mas define o valor do indivíduo.

A falta dessa ética na administração pública só se prolifera, e o comportamento das autoridades estão a anos luz de estarem atrelados aos princípios éticos.

Porém, o que nós devemos entender é onde está o erro! Começo afirmando que o erro se inicia com a falta de preparo público, que ocorre pela escassez de mecanismos de combate e de responsabilização.

Fora esse grande problema, é de se concordar que a sociedade também apresenta uma parcela de culpa nessa situação, pois eles não lutam com unhas e dentes para impedir que casos vergonhosos ocorram.

Já que, um país que tem entre seus presos, Governadores, ex-presidente da câmara dos deputados e ex-presidente da república, passa a mensagem de que nós somos antiéticos, pois vangloriamos e elegemos essas pessoas por muito tempo. Você pode saber mais sobre as noticias deste assunto em: 24 horas news

Claro que nem todos apresentam uma cultura relativamente boa para exercer a sua cidadania.

etica no serviço publico

É essa a chave para o sucesso e a melhoria. É o instrumento mais forte que o cidadão pode ter para buscar um futuro melhor.

Os funcionários mal capacitados e sem a educação correta são aqueles que tendem a ser corruptos, a praticarem atos desonestos e a conviver com os mandos e desmandos do dia a dia.

Essa educação que digo não é estudar na melhor escola do país, mas falo de educação no sentido de criação digna e honesta, pois nossos políticos são a prova viva que boas escolas e grandes fortunas não trazem pessoas íntegras.

Lembrando que, se o estado impõe a ordem para ter uma sociedade civilizada, deveria ser o primeiro e reprimir um ato imoral. Mas como reprimir algo que já está entranhado na própria ordem?

A mudança ética que desejamos é uma mudança cultural, a mudança de toda uma estrutura que envolve a administração pública.

É reavaliar valores, tradições, hábitos que se formaram ao logo do tempo e principalmente as normas.

Concluindo que, de nada adianta os servidores públicos serem regidos por códigos federais e estaduais de ética, quanto menos, serem regidos pelos princípios administrativos, se a conduta e o caráter não são exteriorizados para realizar o que é certo.

A ideia de ética deve ser repassada como algo sagrado e deve sempre ter um caráter sancionatório quando não estiver sendo posta em prática.